Criatividade sem idade e com estilo: entrevista com designer que mudou três vezes de profissão

Devo trocar de profissão? Quando será que vale a pena mudar? O que devemos pesar na hora de tomar essa decisão? Se você faz essas indagações todos os dias, não hesite em partir para a ação em busca de algo que realmente mexa com o seu coração e que te faça se sentir mais realizado profissionalmente.

Com o mercado aquecido, não podemos perder as oportunidades que surgem, não é mesmo? Porém, muita gente tem pavor de fazer uma transição, muitos por acharem que estão “velhos” demais para isso. Para te mostrar que é possível sim deixar o medo de lado e parar de se preocupar com essa questão, entrevistei a designer de interiores Carla Telles, que decidiu arriscar tudo e começou uma nova faculdade aos 47 anos para mudar de profissão.

A idade não foi empecilho para que eu corresse atrás dos meus sonhos — disse a mineira, que atualmente tem 52 anos.

Há cinco anos no mercado, Carla passou por três processos de mudança de carreira. Agora, ela garante que está feliz com o que faz:

Meu objetivo foi tentar achar uma profissão que me permitisse ter prazer ao trabalhar. E foi isso que o Design de Interiores me proporcionou: um questionamento que vai além do trabalho e além do amor à profissão, que é atuar com a criatividade, poder projetar ambientes e realizar os sonhos dos clientes.

 

Confira a entrevista na íntegra:

 

A designer Carla Telles não teve medo e mudou três vezes de profissão (Foto: Arquivo pessoal)

Daniela de Paula | Criatividade em Rede: O que você fazia antes de começar o curso de Designer de Interiores?

Carla Telles: Bem, vou começar contando um pouquinho da minha história. Sou nascida em Visconde do Rio Branco, mas criada em Juiz de Fora. Aos 16 anos, conheci meu marido e me casei aos 18. Com 19 anos, já era mãe de um lindo menino e, nessa época, tive que interromper meus estudos retornando somente aos 22 anos. Nesse período, cheguei a fazer vários cursos profissionalizantes, inclusive Medicina Oriental, que me deu a possibilidade de montar uma clínica de sucesso e com bastante pacientes.

 

D.P: E o que  fez depois disso?

C.T: Meses depois, percebi que ainda não estava totalmente realizada profissionalmente. Resolvi mudar totalmente de ramo e tentar vestibular para Direito e me aprofundar nos códigos. Foi muito instrutivo poder entender as leis do nosso país, mas infelizmente ainda não era o que eu queria para minha vida e não me via trabalhando como advogada, apesar de ser uma profissão maravilhosa. Com isso, deixei o Direito de lado e resolvi passar mais tempo com meus filhos.

 

D.P: O que te levou a mudar novamente de profissão?

C.T: Foi a insatisfação profissional. Não que eu não gostasse do que fazia, mas não estava realizada. Por esse motivo fui atrás daquilo que me desse prazer e me encontrei no Design de Interiores. Atualmente, trabalho com  algo que eu realmente tinha vontade de fazer, que era usar a criatividade elaborando projetos. Posso dizer que estou realizada profissionalmente e hoje faço o que realmente gosto.

 

D.P: E o que você fez para isso?

C.T: Uma amiga me falou que tinha uma faculdade com um novo curso de Design de Interiores. Ela me chamou para tentarmos o vestibular. Sem hesitar, aceitei. Nos inscrevemos e fomos aprovadas. Sempre tive uma facilidade em desenhar, cheguei até a pintar alguns quadros e paredes. Enfim, esse curso tinha que estar no meu caminho. Iniciamos as aulas, mas confesso que não foi fácil porque eram muitos trabalhos, maquetes, provas, viagens para visitar mostras de decoração, que são muito importantes na nossa área, já que há muita inovação em termos de material, e temos que estar sempre atualizadas nas novidades do mercado.

 

Um dos projetos da designer de interiores Carla Telles. (Foto: Arquivo pessoal)

D.P: E de que maneira a criatividade te ajudou nessa jornada?

C.T: A criatividade sempre esteve presente em minha vida. Eu adorava desenhar, colorir e me arriscava em pintar alguns quadros com tinta a óleo sem ter nenhum curso profissionalizante. Não só isso, eu também gostava muito de pintar paredes, decorar ambientes e modificar os mobiliários de lugar. Na verdade, sempre gostei dessa área, mas só tempos depois que fui perceber que essa era a profissão que eu, definitivamente queria para mim.

 

D.P: Foram três processos de mudança. Em algum momento você ficou receosa em trocar de profissão?

C.T: De forma alguma. Hoje, tenho certeza de que, se não estamos felizes com o que fazemos, devemos nos questionar e procurar uma nova profissão que nos dê prazer, incentivo, motivação e nos faça felizes. Se encararmos um trabalho que não nos motive e que gere somente salário no fim do mês, dificilmente nós iremos colher bons resultados. E foi por esse motivo que não hesitei em mudar de profissão e correr atrás do meu sonho.

 

D.P: Em algum momento pensou desistir?

C.T: No período em que eu fazia o curso, meu filho mais velho se casou, o mais novo foi estudar no Rio, fiz uma cirurgia complicada e ainda estava construindo a minha casa. Confesso que nunca fiquei tão cansada, mas nunca pensei em desistir e continuei firme no curso.

 

D.P: Após o curso, como fez para entrar no mercado de trabalho?

C.T: Terminei a faculdade e comecei a pensar como eu iria entrar no mercado de trabalho tão competitivo e cheio de pessoas excelentes. Até que uma amiga me deu oportunidade de fazer um quarto de hóspede em sua casa. Fiquei muito feliz e, a partir disso, não parei mais de projetar e colocar em prática os sonhos dos meus clientes. É muito gratificante quando olhamos o trabalho executado e do jeitinho que nós projetamos.

 

D.P: E como se sente agora, mais feliz e realizada?

C.T: Sim, estou muito realizada e não me vejo em outra profissão. Procuro sempre me atualizar, fazendo cursos e visitando mostras de decoração, o que é muito importante nessa profissão, devido à  abundância de materiais novos no mercado.

 

Assim como a Carla Telles, centenas de pessoas passam por isso frequentemente. Se você também quer mudar, a hora é essa. Não perca mais tempo. Aproveite e compartilhe esse conteúdo nas suas redes sociais!

 

 

Sobre a autora:

Daniela de Paula Daniela de Paula é jornalista especialista em Marketing de Conteúdo, apaixonada pela natureza, por bichos, decoração e tudo que envolve a filosofia do “faça você mesmo”.
Comentários

3 thoughts on “Criatividade sem idade e com estilo: entrevista com designer que mudou três vezes de profissão

  1. Parabéns! Incentivadora entrevista, confirmando que tentar sempre vale a pena. A mudança é inerente à vida e ao ser humano. É o que traz inovações, descobertas, novas visões. Persista sempre e siga sendo exemplo. Faz toda diferença!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *