Ser criativo também é saber se adaptar: o que eu aprendi com Vilmar Mendonça

A história de Vilmar Mendonça, de 58 anos, que ganhou repercussão internacional nas últimas semanas, me passou uma lição de vida: não desistir dos objetivos, mesmo que eles pareçam impossíveis de serem alcançados. Ele mostrou que foi capaz de adequar-se às necessidades com um “estilo criativo” de adaptação.

Vilmar, que afirma ter sido executivo e especialista em Recursos Humanos – disse que, após trabalhar em cargos de confiança em grandes empresas do país, veio para o Rio, mas – aqui – não teve muito sucesso profissionalmente. Além de não conseguir um emprego fixo, segundo ele, foi assaltado e perdeu o restante da economia que tinha. Depois disso, teve que tomar uma decisão difícil. De acordo com Vilmar, a única que lhe restava, já que o orgulho falava mais alto e não o deixava voltar para a casa de sua mãe em Itajaí, em Santa Catarina, sua terra natal.

Nesta quarta-feira, a história de luta dele ganhou mais um capítulo. Vilmar CONSEGUIU UM EMPREGO e voltou à atividade.

 

Eu estou indo agora iniciar o meu primeiro dia de trabalho. O retorno. Muito obrigado a todos que me ajudaram. Quero agradecer em nome de Deus as pessoas generosas que me deram apoio e rezaram por mim. Agora tenho que focar meus pensamentos no meu serviço e procurar desenvolver aquilo que sempre fiz no trabalho, ser o melhor.

 

Cheguei ao Vilmar, graças a Marcus Cavalcanti, que – após ler sobre o ex-executivo numa reportagem de um jornal francês – escreveu um artigo e divulgou o caso durante um evento do grupo Colegiada de Empreendedoras, o qual eu também fui palestrante – no Sebrae, no Centro do Rio.

A partir daí, entrei em contato com Vilmar e fiz uma matéria para o  Jornal O GLOBO, onde trabalho como repórter. O encontro foi incrível. Chegando ao local marcado – o Aeroporto Santos Dumont – fiz uma ligação para saber exatamente onde Vilmar estava. Quando o avistei, de longe, não pude acreditar no que eu via: um homem falando ao celular e, ao mesmo tempo no laptop,  respondendo às inúmeras mensagens que recebia com propostas de emprego, de moradia ou apenas de apoio. Cena inimaginável quando a gente pensa tratar-se de um morador de rua. Certo?

Pois bem, comecei a entrevista e, entre uma resposta e outra, ficava ainda mais surpreendida com a história dele. Na verdade, estava fascinada e pensando: “Como ele fez para viver tanto tempo nessas condições, sem parecer ser um morador de rua?”. Perguntei isso, e Vilmar respondeu:

 

Nunca me coloquei como um morador de rua. Estava em condição de rua — afirmou ele, acrescentando que – apesar de, à noite, ter que dormir ao relento – o tempo todo se comportava como antigamente, quando ainda era um grande executivo no mercado. E foi pensando e agindo dessa maneira que ele garante ter conseguido sobreviver e esconder suas verdadeiras condições.

 

Após quase cinquenta minutos de bate-papo, pude perceber o quanto foi importante para ele conseguir enfrentar as adversidades que a vida lhe impôs. E pensando nisso, resolvi destacar para você quatro atitudes que podem ajudar em situações difíceis, como a do Vilmar,  e uma que pode atrapalhar e muito a conquista dos seus objetivos. Confira abaixo:

 

Persistência

Para conseguir alcançar seus objetivos é preciso ter persistência. E foi isso que Vilmar fez. Apesar da dificuldade enfrentada, ele foi persistente e sempre acreditou que iria conseguir se reerguer. No entanto, é preciso não confundir persistência com teimosia. Quem é persistente tem um objetivo claro e muito foco. Você pode até mudar a estratégia, mas não a meta. Já quem é teimoso, não sabe nem aonde quer chegar. Pense nisso.

 

Determinação

Não tenha medo do fracasso. Encare seus desafios de frente e sem medo, assim como fez o ex-executivo. Ele vivenciou os dois lados da moeda: o sucesso e a frustração, mas soube lidar com a perda de tudo o que tinha. Mesmo em condições precárias foi capaz de continuar a acreditar no que, segundo ele, sempre sonhou, que era poder trabalhar dignamente. Ele, que passava o dia no aeroporto à procura emprego, agora, precisa até de um tempinho para avaliar as tantas propostas que recebeu.

 

Confiança

Ser confiante e ter coragem são atitudes fundamentais para conseguir uma realização pessoal. Quando você acredita que é capaz de alcançar algo e age para que isso aconteça, sua vida se transforma. Enquanto vivia – entre os dias no terminal, e as noites, na rua – Vilmar não deixou de “trabalhar”, pelo menos, psicologicamente. Ele parece ser muito bem resolvido quanto a essa questão. Ele afirma que, durante esse período na rua, não deixou de se atualizar na área de Recursos Humanos e de criar projetos, para estar preparado para quando voltar a atividade. Então faça como ele, tenha confiança, coragem e, acima de tudo, busque conhecimento para encontrar soluções quando precisar passar por algum tipo de adaptação inesperada.

 

Resiliência

Ser resiliente significa ter a capacidade de lidar e superar situações adversas. Diante de tantos obstáculos e problemas, Vilmar reagiu positivamente a eles sem entrar em conflito psicológico ou emocional. Pelo menos, essa é a impressão que ele passa. Enquanto ele se adaptava à nova vida – durante um ano e meio nas ruas – ele mantinha firme o seu propósito: conseguir se restabelecer sem perder a dignidade e seus princípios.

 

Deixar orgulho de lado

Ter confiança, persistência, resiliência e determinação são atitudes muito importantes, sem dúvidas, mas também é preciso saber deixar o orgulho de lado, quando for necessário. Esse talvez tenha sido um dos maiores pecados de Vilmar, conforme ele mesmo afirmou. Aceitar que tem alguma limitação é difícil, mas é um passo fundamental para conseguir pedir ajuda. Então, não pense duas vezes quando passar por uma situação complicada. Não tenha medo de pedir ajuda. Isso pode ser uma ação determinante na sua vida.

 

Agora que você viu como é importante não desistir dos seus sonhos e que algumas atitudes ajudam, mas também podem atrapalhar, seja perseverante e busque soluções criativas para resolver seus problemas. Ah, também não se esqueça de compartilhar esse post nas suas redes sociais.

 

Foto: Brenno Carvalho

 

Sobre a autora:

Daniela de Paula    Daniela de Paula é jornalista, social media e especialista em Marketing de Conteúdo, apaixonada pela natureza, por bichos,decoração e tudo que envolve a filosofia do “faça você mesmo”.
Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *